quinta-feira, 11 de outubro de 2012

ELEIÇÕES EM BELÉM PODE MUDAR AS PEÇAS DA POLÍTICA EM CAMETÁ.


Na última quarta feira, 10 de outubro o Partido Progressista do Pará onde tem sua maior liderança o Ex-Deputado Gerson Peres fecha apoio na candidatura do Zenaldo Coutinho(PSDB) para prefeitura de Belém,  e umas das exigências do Presidente do PP como moeda de troca ao apoio de Jerfeson Lima do PP é a URE e o SETRAN de Cametá. Vamos aguardar o desfecho desse apoio.

1° Simpósio Paraense de Contabilidade


Belém sediará o 1º Simpósio Paraense de Contabilidade Aplicada no Setor Público e que será realizado nos dias 29 e 30 de novembro. O destaque do simpósio será o lançamento do livro “Gestão Baseada em Resultado no Setor Público – Uma abordagem didática para implementação em prefeituras, câmaras municipais, autarquias, fundações e unidades organizacionais”. Todo os inscritos terão direito a um exemplar do livro.
Segundo a coordenadora local do evento, Leila Elias, o evento vai proporcionar às comunidades acadêmica e profissional uma profunda reflexão sobre a transparência da gestão pública no Brasil. O simpósio, que acontecerá no auditório do Basa, é voltado para gestores públicos, contadores, e demais interessados.

UFPA/CAMPUS Cametá REALIZOU a I MOSTRA DO VESTIBULAR DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO TOCANTINS.




Aconteceu no dia 04 de outubro de 2012, manhã e tarde, no Campus da UFPA em Cametá a I Mostra do Vestibular da UFPA, Campus Universitário do Tocantins/Cametá, onde foi organizado pelos discentes e apoio do Campus e professores.

No evento, houve presença da Coordenação do Campus, das Direções das Faculdades e falas sobre o vestibular, além de estandes nas salas a divulgar cada curso, por parte dos discentes que os vem integrando.

Nesse dia, esteve conosco professora Marilucia Oliveira, Diretora do CEPS, professor Mauro Magalhães, representando a PROEG, professora Elizabete Lemos Vidal, expondo questões de leitura e produção de texto, dentre outros colegas professores.

Tratou-se de evento destinado para alunos do Ensino Médio que estão em processo de inscrição para os vestibulares de 2012. Estamos buscando ter alunos de nossos municípios vizinhos também, como Mocajuba, Oeiras do Pará, Baião e Limoeiro do Ajuru.

Nos estandes, os alunos fizeram montagem de slides e outras ações para divulgação de cada curso.

O LIBERAL: PREFEITO PESCADOR DE CAMETÁ



Notícia em O Liberal, 10 de outubro de 2012, Coluna de Bernardino Santos. Trata-se de notícia sobre 

nosso Prefeito Pescador, Irácio, eleito nas eleições de 07 de outubro.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

UMA BREVE AVALIAÇÃO DE OITO ANOS DE GESTÃO DE WALDOLI E POMPEU



Por: Carlos Alberto Amorim Caldas
Estamos beirando oito anos, consecutivos, de um mesmo grupo na Gestão Municipal. Isto significa oito anos de um governo adepto do NEPOTISMO, cheio de desmandos e com infindáveis acusações de desvios, ocultamentos e prevaricações de bens públicos. Muitos e por variadas infrações são os processos que correm na Justiça contra os atuais gestores municipais de Cametá.
Aliás, eis o primeiro grande e proposital equívoco: TRATAR A COISA PÚBLICA COMO PATRIMÔMIO PRIVADO. O resultado mais evidente é a arrogância!
É óbvio que nestes oito anos – como eles se arvoram dizer – o município se desenvolveu! Senão este povo pacífico não teria optado por esperar para ver.
Não posso concordar que o município e a cidade tenham se modernizado. MODERNIDADE significa uma cidade limpa, uma população educada, ruas iluminadas e seguras; uma cidade com portos e terminais de transporte – com transportes eficientes. Modernidade traduz acesso à saúde, ao trabalho digno, à educação de qualidade e a relações políticas democráticas, dentre muitos critérios.
São oito anos sem programas de governo e sem desenvolvimento de políticas públicas. Foram “administrando” o município sem qualquer “profissionalismo”, fazendo como aquela senhora, viúva, abastada que em um dia resolve domesticamente fazer um jardim; noutro uma piscina; uma reforma na cozinha e, em outro dia ainda, trocar as luminárias da varanda. Isso quando não resolvem trocar os funcionários!
Em oito anos, com suspeitas e acusações de superfaturamento, o atual prefeito de Cametá Waldoli Valente – e seu vice Benedito Pompeu – deixarão uma cidade com ruas “bloquetadas” /pavimentadas, construções/edificações de prédios de escolas e recuperações construções de praças e outros logradouros públicos[1]. Isso seria elogiável não fosse o mar de denúncias, o nepotismo e a ausência de projetos/programas de políticas públicas em TODOS os setores da administração pública municipal!
               E antes de prosseguir, faço um parêntese, em atenção aos defensores incondicionais dos atuais gestores municipais. Eu, Carlos Amorim, não irei ao ministério público reapresentar denúncias que já foram apresentadas e nem vou explicar de novo o que é nepotismo, pois será cinismo daqueles que me sugerirem isso.
Vou iniciar com uma comparação: no Campus Universitário da UFPA em Cametá foram construídos, há cerca de um ano e meio, dois prédios com dois pisos cada. Em um deles encontramos um dos maiores e mais bem equipados auditórios da cidade e uma biblioteca de médio porte. O outro prédio tem cinco salas de aula, um mini auditório, laboratório de informática e laboratório de ciências naturais. Este prédio conta também com elevador de acesso para deficientes físicos. Pois bem, este conjunto custou ao todo a importância de cerca de um R$ 1.300.000 (hum milhão e trezentos mil reais).
               A comparação é a seguinte: todos somos sabedores que cada decantada – das poucas construídas no interior[2] - escola municipal, construída na atual gestão, em média com seis salas de aula, custa aproximadamente R$ 2.000.000 (dois milhões de reais) aos cofres públicos. Esse valor daria para construir quatro escolas do mesmo tamanho e modelo das que foram feitas!
               Mas, como dizia inicialmente, parece que Cametá ainda não pode usufruir de uma gestão municipal com projetos políticos definidos. Temos uma tradição conservadora populista que atravessa décadas e séculos com apenas dois hiatos que não foram bem sucedidos e que também não apresentaram projetos de políticas públicas claras. Um que desbancou a sequência de administrações “peristas” (referente a Gerson Peres) – representada pelo PMDB e encabeçada por João Medeiros - e a outra do ex-prefeito Quaresma - mas ambos não lograram êxito!
               Também esta atual gestão – de oito anos – não teve e não tem programas de políticas públicas e mantêm o formato conservador-populista. Então, esta administração municipal que está se despedindo deixará um conjunto de edificações de escolas (as R$ 2.000.000 cada), um estádio de futebol reformado (com time em funcionamento e com período de alta popularidade...), um ginásio poliesportivo minimamente conservado. Mas não tem sequer uma secretaria (ou diretoria no interior de uma secretaria) municipal, imagine políticas públicas para o esporte e o lazer! Tampouco um projeto de educação que contemple formação continuada para os professores, bem como saúde preventiva e combate ao analfabetismo de jovens e adultos. Faltam reais políticas públicas nesse governo de oito anos!
               Sabemos também que o ponto alto da gestão foi a melhoria da malha viária urbana (com ruas bloquetadas/asfaltadas) e suntuosas praças – APENAS NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE. Contudo, salpicados em cima de barro, os bloquetes cedem aparecendo buracos nas ruas e uma breve chuva enlameia a rua e alaga as residências. Não há saneamento básico! E muito menos coleta regular e tramento do lixo doméstico. É iconográfica a presença de centenas de urubus nas ruas, que em algumas esquinas acumulam verdadeiros “lixões”. Aí a gente poderia dizer que a população não colabora. Mas, às duras penas, aprendi que o povo não é culpado de ser mal educado, nem analfabeto e muito menos pobre.
               A gestão se despede, também, com a área da cultura reduzida à produção de eventos e com o gestor, desta área, decantando os antepassados e pegando carona nas ações da Secretaria de Estado de Cultura do Pará (SECULT), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e outros organismos. O Carnaval e as férias do mês de julho vieram decaindo junto com a gestão! Significativa é a ruína do prédio do Centro de Cultura “Ministro Jarbas Passarinho”.
               Não apresentaram e nem desenvolveram políticas de meio ambiente e/ou saúde sanitária. Vejam o gritante caso da ausência de campanhas educativas e a coleta de lixo deficiente atraindo urubus, ratos e insetos para a cena urbana.
               A Saúde foi um caos e não caminhou para lugar nenhum. Sabemos que o Sistema Único de Saúde (SUS) - mesmo que não seja o sonhado - faz repasses mensais que é para serem aplicados em benefícios à saúde (e não para aumentarem salários e comissões). É assim: cada procedimento em saúde que o município realiza, o SUS “paga” por esse procedimento ao município. Sem falar nos demais programas que foram municipalizados como o Tratamento Fora de Domicílio (TFD). Recursos financeiros houve, só não houve vontade e decisão política e nem políticas!
               Até o único cemitério público da cidade está superlotado. Nem morrer se morre mais com dignidade nesta cidade que tanto nos honra e orgulha, por sua história e seu acúmulo cultural e paisagístico.
               A Assistência Social não teve competência sequer para gerir os programas federais. Fiquei estarrecido quando ouvi de profissionais – ainda bem que não foi da “voluntária” – da própria Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SEMADS) críticas ao assistencialismo dos programas sociais do governo federal. Mas não sabemos de nenhum programa/projeto ou evento da secretaria municipal que vincule os benefícios sociais – com perspectiva temporária – à capacitação de trabalhadores e jovens, à geração de emprego e de renda ou mesmo à ressocialização. Estas seriam atividades rotineiras dos Centros de Referências e Assistência Social (CRAS) e dos Centros de Referências Especializada e Assistência Social CREAS, visando a estabelecer o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Mas se fizeram foi assistencialismo grosseiro. O ex-Presidente Lula fez sua parte tirando das mãos das chamadas “voluntárias” os programas e articulando-os na política de Assistência do SUAS.
               Aqui em Cametá, as crianças ainda carregam malas e bagagens nos precários portos de Carapajó a custo de R$ 2,00; não há política de redução de danos a consumidores de álcool e outras drogas. Ao bolsa família não estão agregadas as políticas de capacitação e formação para o ingresso no mercado de trabalho. Jovens, Idosos e outras minorias aqui parecem ser alienígenas. Todas as políticas municipais receberam verbas federais; mas quando foram encaminhadas, foram-nas de maneira capenga ou desastrosa.
               Foram centenas de denúncias de abusos e exploração sexual contra crianças e adolescentes; o tráfico de drogas, o trânsito violento e desordenado foram uma constante crescente, o aumento da violência e êxodo rural contribuiu para o inchamento de nossa área periférica na cidade, com uma imensa população de desempregados e desocupados. Foram abandonados ou ignorados importantes projetos comunitários de desenvolvimento sustentável, por mera retaliação política.
               As Universidades são enclaves na cidade e no município, com pouquíssima ou nenhuma articulação com o poder público municipal.
               E, para coroar o descompromisso com a população cametaense, esses gestores se tornaram forasteiros, pois ultimamente passam mais tempo fora do município do que aqui – vão deixar as contas públicas inadimplentes. Só com a Previdência Social são mais de R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais).
               Ironicamente o atual vice-prefeito, que é candidato a prefeito neste pleito de 2012, tem como slogan “O trabalho continua”. Nisso não há comentário. Há que se observar sim que o candidato a vice-prefeito na chapa de Benedito Pompeu é o Sr. Joaquim (Juca) Castro que foi secretário de educação e não chegou ao término do mandato e é um dos grandes responsáveis pelo fato de nossas crianças terem ficado TODOS os seis meses letivos do primeiro semestre de 2012 sem alimentação escolar – também por falta de prestação de contas junto ao Ministério da Educação.
               Convido a população cametaense à reflexão - e indico a única possível e viável mudança nessa situação – que é elegermos IRACIO (13) NUNES e PROF. OSVALDO BARROS, respectivamente, PREFEITO E VICE-PREFEITO DE CAMETÁ para a gestão 2013-2016. Estes encarnam nossas esperanças de um município JUSTO e MAIS FELIZ, com POLÍTICAS PÚBLICAS REAIS para o nosso município!


[1] No caso do Mercado Municipal e Feira de Pescados e Hortifrutigranjeiros, os recursos foram do Governo Estadual.
[2] Somente uma escola foi construída na sede  do município.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

RESTAURANTE POPULAR DE CAMETÁ? UM ATO DE CORRUPÇÃO E IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, OU É INCOMPETÊNCIA DESSA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL?



Foi feito um convênio entre o MINISTERIO DO DESENV. SOCIAL E COMBATE A FOME e a Prefeitura Municipal de Cametá para a elaboração de Projeto Básico e executivo e a Construção de Um Restaurante Popular todo equipado. O Valor desse Convênio é de DOIS MILHÕES DE REAIS, sendo a contra partida da Prefeitura de apenas CEM MIL REAIS, o os outros UM MILHÃO E NOVECENTOS MIL REAIS são do Governo Federal da Presidenta Dilma.
O inicio desse convênio foi em 2009, sendo que o Governo Federal já repassou os R$1.900.000,00 para a prefeitura, sendo a última liberação foi no dia 13 dezembro de 2011. O Governo Federal através do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome informou em seu site que já venceu a vigência do convênio no dia 16 de fevereiro de 2012 e a Prefeitura ainda não prestou conta, ainda segundo o Ministério, estão aguardando a prestação de contas da construção do Restaurante Popular.
O Governo Federal repassou o recurso para a Prefeitura Municipal de Cametá desde o ano passado, por que ainda o Restaurante Popular não foi construído?
Se o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome está pedindo a prestação de conta, subentendi que esse restaurante já foi construído, ou as obras estão bem avançadas, mas, onde está sendo construído esse Restaurante Popular?
Será que é mais um ato de corrupção e improbidade administrativa, ou é incompetência dessa gestão pública municipal?
O que não dá para aceitar são os recursos públicos indo para o ralo do esgoto da corrupção e ajustiça não fazer nada!

O PREFEITO WALDOLI VALENTE RESPONDE MAIS UM PROCESSO NO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO




O Prefeito Waldoli Valente responde mais um processo no Tribunal Regional Federal da Primeira Região, na Ação Civil nº 64 de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA da 5º Vara Federal. A Juíza Responsável é a Meritíssima Ana Carolina Campos Aguiar. Na tarde do dia 16 de junho de 2012 o Prefeito recebeu uma intimação e uma visita do Ministério Público Federal na Prefeitura Municipal de Cametá. Além do Prefeito Waldoli, quem está respondendo nesse mesmo processo é o seu Irmão e Secretário de Saúde Municipal o Sr. Osvaldo Otávio Filgueira Valente. O nº do Processo é 0028820-18.2011.4.01.3900.
Há muito tempo nosso Município de Cametá vem sofrendo com ausência de políticas públicas em todas as áreas, mas na saúde o problema é mais grave, pois não existem médicos nas vilas, e é quase zero os atendimentos em alguns bairros, sobrecarregando os dois hospitais de Cametá, além da ausência da farmácia básica em todo o município. Cametá está doente, o povo está doente, e infelizmente é o que vivemos hoje.
Segundo o Ministério da Saúde, para cada mil habitantes deve haver um médico no município, Cametá tem mais de 120 mil habitantes, logo se fosse cumprido o que é determinado pelo Ministério da Saúde deveriam existir pelo menos 120 médicos atendendo o Município de Cametá, pois esse recurso o Governo Federal é repassado para o Município para pagar esses profissionais da Saúde. Mas por que não têm médicos suficientes para atender nossa população? Por que quase sempre não têm medicamentos na farmácia básica? Por que o atendimento não é mais humanizado, respeitando a população? Será que é por causa de atos de corrupção, de improbidades administrativas que existe no governo municipal que responde por vários processos, ou é falta e incompetência administrativa?

Prof. João Henrique Andrade Nunes
Faculdade de Ciências Exatas / FACE
UFPA / CAMETÁ - Campus Universitário do Tocantins
Professor - Administrador - CRA:11106

sábado, 14 de julho de 2012

MAIS UM ATO DE PERSEGUIÇÃO POLÍTICA DESSES PSEUDOPOLÍTICOS COVARDES

       Em Maio de 2011 passei em um processo seletivo para ser Tutor no Curso de Administração Pública à distância ofertada pela UFPA/UAB no Polo de Cametá. Durante todo esse período exerci e desempenhei o meu papel como Tutor, professor, e muitas vezes como amigo, com dignidade, honestidade e dedicação. Não entrei lá pela janela e nem por salário, até porque recebemos uma bolsa de apenas R$ 765,00, mas entrei por acreditar na função social de educador, que acredita que só através da educação conseguiremos fazer a verdadeira revolução social que tanto nossa sociedade precisa para desenvolver. 
        Durante esse pouco mais de um ano que fiquei trabalhando na UAB, conquistei muitos amigos, aprendi muitas coisas, principalmente profissionalmente, pois essa experiência me ajudou a passar no concurso da UFPA como professor, outra realização de um sonho, e mais uma conquista. 
Mas infelizmente em Cametá, ainda convivemos com pseudopolíticos covardes, corruptos e perseguidores, pois fazem de tudo para calar e prejudicar as pessoas que falam o que pensam, e denunciam seus atos de improbidades administrativas. Devido a essas perseguições e “o ocorrido” de um fato específico de um “ser mamífero” invadir a sala de aula onde eu estava no meu trabalho, fui desligado da UAB da função de Tutor do Curso de Administração Pública a distância da UFPA/UAB covardemente. 
         Mas esses pseudopolíticos covardes, corruptos e perseguidores não podem tirar de mim meu diploma, meu conhecimento, e principalmente minha dignidade, integridade, honestidade e meus princípios éticos e morais. 
Esse tipo de atitude covarde só alimenta minha motivação para lutar contra essa tirania de pseudopolíticos que enriquecem nas costas da pobreza e a falta de conhecimento e de informação da população menos favorecida de Cametá. 
       Isso vai acabar, e vocês (pseudopolíticos) vão cair um por um, pois vamos da um basta a toda essa corrupção em Cametá. 


Prof. João Henrique Andrade Nunes
Faculdade de Ciências Exatas / FACE
UFPA / CAMETÁ - Campus Universitário do Tocantins

quarta-feira, 30 de maio de 2012

PREFEITURA DEIXA CRIANÇAS SEM MERENDA EM CAMETÁ


VEJA NO LINK O REPASSE FEITO PELO GOVERNO FEDERAL PARA PREFEITURA DE  CAMETÁ:  http://www.portaldatransparencia.gov.br/PortalTransparenciaDetalheRepasse.asp?Exercicio=2012&SelecaoUF=1&CodUF=0&SiglaUF=PA&NomeUF


Mais um caso de incompetência administrativa da atual gestão municipal, pois é absurdo e criminoso o que está acontecendo em Cametá. Desde o inicio do ano letivo nas escolas municipais os estudantes, principalmente as CRIANÇAS, estão sem a alimentação escolar.
O Art. 2o da Lei n 11.346, de 15 de setembro de 2006 (Lei Orgânica da Segurança Alimentar) diz que a alimentação adequada é direito fundamental do ser humano, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos direitos consagrados na Constituição Federal, devendo o poder público adotar as políticas e ações que se façam necessárias para promover e garantir a segurança alimentar e nutricional da população.
Os GESTORES MUNICIPAIS deveriam saber que o § 2o da mesma lei citada acima que “É DEVER DO PODER PÚBLICO RESPEITAR, PROTEGER, PROMOVER, PROVER, INFORMAR, MONITORAR, FISCALIZAR E AVALIAR A REALIZAÇÃO DO DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA, BEM COMO GARANTIR OS MECANISMOS PARA SUA EXIGIBILIDADE”.
O prefeito Waldoli e o vice Pompeu foram eleitos democraticamente, e por isso deveriam respeitar as leis que regem a Administração Pública. Deveriam também respeitar as famílias cametaenses, pois as crianças de todo o município de Cametá estão sofrendo com essa má gestão.
O Governo federal está cumprindo sua parte e repassando os recursos da Alimentação desde março de 2012 para a compra e aquisição da ALIMENTAÇÃO ESCOLAR para as escolas municipais, e por lei a Prefeitura deveria comprar 30% DA ALIMENTAÇÃO DA ESCOLAR NO MUNICÍPIO provindo da agricultura familiar!
POR QUE AINDA NÃO TEM MERENDA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS SE O GOVERNO FEDERAL REPASSOU PARA O MUNICÍPIO MAIS DE MEIO MILHÃO DE REAIS PARA COMPRAR?
A Carta Constitucional determina os direitos sociais por ela assegurados, entre os quais estão o direito à educação, à saúde, ao trabalho, ao lazer, à proteção à infância e a assistência aos desamparados. Dispõe a respeito o art. 6° da Lei Maior:
Art. 6° São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.
É VERGONHOSO E DEMOSNTRA A INCOMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA DESSA GESTÃO E MÁ APLICAÇÃO E GERENCIAMENTO DESSES RECURSOS.
ISSO VAI TER QUE ACABAR, E O POVO NÃO DARÁ CONTINUIDADE PARA ESSE GOVERNO INCOMPETENTE. 


Prof. João Henrique Andrade Nunes
Faculdade de Ciências Exatas / FACE
UFPA / CAMETÁ - Campus Universitário do Tocantins
Administrador - CRA:11106

sexta-feira, 25 de maio de 2012

O CAMARINHA EM ENTREVISTA A TV LOCAL SOBRE A CRIAÇÃO DA GUARDA MUNICIPAL.

“Estou muito feliz de ver o treinamento que está sendo dado aos nossos guardas, capacitando para que muito em breve esteja à disposição da sociedade cametaense. A gente a ver a intensificação de manhã e tarde, no período integral. E a gente está vendo aí com os instrutores o interesse dos participantes, e agente fica muito feliz que vamos entregar para a sociedade cametaense uma guarda bem capacitada para servir, para proteger o patrimônio público, nossos prédios, para dar apoio ao departamento municipal de trânsito e também AJUDANDO A POLÍCIA CIVIL E MILITAR NO COMBATE A VIOLÊNCIA E A DROGA!”.

Assista a entrevista na integra:


A TRAMOIA ELEITOREIRA PARTE II - VEJA A LEI QUE CRIA A GUARDA MUNICIPAL SEM CONCURSO PÚBLICO


Está aí disponível para vocês a Lei Nº1.221 de 16 de Dezembro que cria a Guarda Municipal de Cametá pelo prefeito da época Milton dos Santos Peres.  Em seu Art. 4 em seu inciso V diz que Direitos, deveres, pleno de carreira e outras normas gerais de ação e de serviço. 


A TRAMOIA ELEITOREIRA: REQUERIMENTO PEDINDO A IMPLEMENTAÇÃO DA GUARDA MUNICIPAL DE CAMETÁ



Disponibilizo para a apreciação de vocês o requerimento do Vereador Camarinha aprovado em plenário no
 dia 14/03/2012 na Câmara Municipal de Cametá por 9 votos a favor e 2 dois contra, pedindo a implementação da Guarda Municipal, de acordo com a Lei Nº 1.221 de 16 de dezembro de 1991. A implementação dessa lei municipal agora nesse período, passa por cima da Lei Eleitoral, a Lei nº 9.504/97, em seu inciso V do artigo 73, deixa clara a proibição aos agentes públicos de efetuarem nomeações, contratações, etc, de servidores, no período de três meses antes do dia da Eleição, até a posse dos eleitos.



quarta-feira, 23 de maio de 2012

A GUARDA MUNICIPAL DE CAMETÁ ESTÁ SENDO CRIADA DE FORMA ABSURDA, IMORAL E ANTIÉTICA!

Foto: Ressacão Bloco


A Prefeitura Municipal de Cametá está criando a Guarda Municipal em nosso município, segundo informações, cada vereador ligado ao prefeito indicou 04 (quatro) pessoas, sendo que no total a prefeitura contratou 80 pessoas para a futura Guarda Municipal de Cametá, e com um detalhe muito importante, que em todo Brasil só a cidade de Belém tem a guarda municipal armada, e agora Cametá será a segunda cidade do Brasil que terá também a guarda municipal armada. 

Quero deixar claro que não sou contra a criação da Guarda Municipal e nem das pessoas que estão fazendo o treinamento, mas sim, sou contra a forma absurda que ela está sendo criada. O Governo Municipal está ferindo todos os princípios da administração pública e do direito administrativo, de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, eficiência, pois estão criando a guarda sem concurso público, não divulgaram o processo seletivo de contratação, estão selecionados pessoas de acordo com interesse político eleitoral, estão violando a ética no trato da "coisa pública", com interesses próprios.

E enquanto é criada de forma absurda e imoral essa guarda municipal, o governo municipal não está fazendo o básico da administração pública que é colocar a alimentação escolar nas escolas, prejudicando de forma gravíssima a educação dessas crianças(mais de 100 dias sem alimentação escolar), além disso, não tem médicos nas vilas, não tem medicamentos básicos nos postos saúde e etc., sendo que o Governo Federal sempre repassa as verbas para o Município executar, mas não é feito, e quando é executada, é de forma ineficiente. 

Sabemos que isso vai gerar despesas absurdas para nosso município, e quem sempre pagará muito caro essas despesas somos todos nós, a população cametaense, então por que não criar a guarda municipal de forma transparente, legal e igualitária através de concurso público? O governo teve 7 anos para fazer isso de forma legal, só porque é ano eleitoral estão fazendo esse absurdo? 

Enfatizo novamente que não sou contra a criação da guarda, e sim a forma absurda, antiética e imoral como ela está sendo criada. E se o objetivo da criação dessa guarda é combater a violência do nosso município, quero que saibas Ilustríssimo Sr. Prefeito, que além da guarda, se combate a violência com políticas públicas para a juventude, geração de emprego e renda, esportes, cultura e lazer, e principalmente educação criando oportunidades para as pessoas. Existem essas políticas públicas em Cametá? Se existem, elas estão sendo feita de forma eficiente e eficaz? 

Meus amigos cametaenses, jovens de nossa cidade, não vamos fazer vista grossa por mais esse disfunção que estão fazendo em nosso município por esse governo, vamos fazer alguma coisa, como uma manifestação por exemplo. Façam suas sugestões sobre o que podemos fazer para mostrar nossa insatisfação contra esse ato imoral desse governo!

Por: João Henrique Andrade Nunes
Administrador/Professor da UFPA/Campus Cametá
Tutor do curso Bacharelado de Administração Pública da EAD/UFPA.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

ONDE ESTÁ O RESTAURANTE POPULAR?




A PMC recebeu de junho de 2011 até dezembro de 2011 o valor de R$1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) para a construção do restaurante popular na cidade de Cametá. Segundo o Portal da Transparência o destino do recurso foi para o Gabinete do Prefeito. Até agora não saiu nenhum edital de licitação sobre a construção da obra. Se o dinheiro já foi repassado para prefeitura desde o ano passado, por que ainda não foi feito nada?
Isso demonstra o total descompromisso e ingerência administrativa dessa administração pública municipal de Cametá, tornando ela ineficiente e ineficaz e bem distante de ser transparente. Quero dizer que Art. 74, § 2" da Constituição Federal de 1988 "Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato é parte legitima para, na forma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidades perante o Tribunal de Contas da União."

"A sociedade tem o direito de pedir conta, a todo agente público, quanto à sua administração."
(Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, 1789).

ALIMENTAÇÃO (MERENDA) ESCOLAR FOI ESTOPIM PARA A SAÍDA DE JUCA CASTRO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO



Carlos Alberto Amorim Caldas[i]
[i] Psicólogo, mestre em educação UFPA.


A PREFEITURA MUNICPAL DE CAMETÁ (PMC), em seu programa de sábado (07/04) na TV Tocantina, argumenta que a responsabilidade pelo atraso na merenda escolar é do MEC (Ministério da Educação), pois segundo argumenta a PMC – que não tem secretário de educação desde que JUCA CASTRO caiu devido a problemas com a alimentação escolar – não sabia qual o valor dos repasses anuais do MEC para esta prefeitura e daí não tinham base para fazer o cálculos.
Estamos todos cansados de saber que os repasses do Governo Federal são feitos com bases em estatísticas que o município encaminha aos ministérios/governo federal. Neste caso particular a PMC saberia, pelo senso escolar, em que números poderia se planejar para a licitação da merenda para as crianças cametaenses.
Até onde estou sabendo, a crise se agravou por falta de prestação de contas da merenda escolar junto ao MEC, quando o JUCA CASTRO era secretário.
Fui informado que houve, em 2011, a Conferência Municipal de Assistência Social; e já não havia merenda escolar regular nas escolas. O então secretário municipal de educação passou de relance na abertura da conferência e disse que os problemas de prestação de contas eram do governo passado, esquecendo-se que o governo passado eram os mesmos – pois foram reeleitos!
Daí quando o ex-secretário Juca ficou sabendo que uma assistente social que veio de Belém para a Conferência lhe procurou para esclarecer as desculpas que ele havia dado e não o encontrou , enfatizou isso que acabo de escrever: quem não prestou contas foi o mesmo governo que aí está. Juca foi ter com a Assistente Social da SEMAS que era responsável pela organização da referida conferência dizendo-lhe “como trazia uma ‘petista’ enrustida para a conferência que o munícipio organizava”!
Disseram-me ainda que depois de atacar a moça, o ex-secretário se dirige ao prefeito para relatar sua versão. O prefeito então lhe devolve: “Te vira. Criaste problemas, então os resolve.” Foi aí que ele foi a Brasília, levando consigo – a contragosto – o vice-prefeito.
Como desfecho, Juca nem só não resolveu nada como foi exonerado do cargo de secretário e parece que daqui a oitenta dias finalmente os estudantes da rede pública em Cametá vão voltar a ter merenda regular. Mas, o MEC não tem nada a ver com a “sucupirangens” daqui. Os repasses são feitos dentro das normas!

sábado, 7 de abril de 2012

VEREADOR CÂNDIDO (DEM), PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL, CONFIRMA SUA PRÉ-CANDIDATURA A PREFEITO DE CAMETÁ!!



Na última quinta, 29 de março de 2012 em na Câmara Municipal de Cametá. Em conversa com o Vereador Raimundo Candido Dos Santos (DEM), ELE afirmou sua Pré-candidatura a prefeito de Cametá pelo DEMOCRATAS, e está muito motivado, e não abrirá mão de sua candidatura.



sexta-feira, 6 de abril de 2012

RESPOSTA DO DILERMANO TAVARES

Boa noite amigos! Muito especialmente ao amigo João Henrique. Depois de ter recebido o tão esperado cinvite, para participar do grupo, e estando muito grato por poder participar, sinto-me instado a fazer alguns esclarecimentos a respeito do que o João postou sobre o meu encontro com o Prefeito e se Vice:

 leiaa-se seu Vice-prefeito:1-o encontro de fato aconteceu, na casa da minha irmã Dilza; 2-Nunca foi segredo e todos aqueles que tiveram oportunidade de me perguntar eu confirmei, como teria confirmado ao amigo João Henrique, se ele tivesse me perguntado, pois o mesmo tem acesso livre a minha pessoa, assim como toda sua familia, com quem nutro um ótimo grau de amizade; 3- Os ditames da boa Democracia manda que dialoguemos, inclusive com os opositores, quando se fala de política; 4-Lembro ao õão, que ele mesmo pelo periodo do Carnaval me convidou para uma conversa com o Iracio e eu disse que estava à disposição, o que não ocorreu, por eu ão ter sido contactado; 5- Por entender que Política não se faz com ódio e meledicências,mas com idéias e projétos, aceitei o convite para dialogar com o Prefeito, e na oportunidade reafirmei meu propósito de pré-candidatura, por acreditar na verdadeira mudança. Mas continuarei dialogando, com quem quer que seja; 6-Quanto ao Grupo conhecido como "Terceira Via", afirmo que continuo apostando na idéia, e minhas ações demonstram isso; 7- A ausência nas reuniões se deram por vários fatores: a) sempre tivemos por hábito nos comunicar por telefone, a quando da possível realização das mesma, o não mais ocorreu(estranho!?), pois isso passou a ocorrer a partir da manifestação do desejo do Vereador Cândido em fazer parte do grupo, do que descordamos na ocasião, não ´por temos algo contra o Vereador, ou sermos contra alianças, mas por entendermos que aquele não era momento propíciompara tal, sob pena de desconfigurar-mos A idéia d mudança na sua concepção;

 ‎8-Os membros do grupo que informaram ao João Henrique sobre a minha ausência, devem ter informado também outras ausências, de membros descordantes, como eu, no que tange a verdadeira razão de existir o grupo enquanto grupo e não enquanto pessoas, que diga-se de passagem, cada uma tem o seu valor. Acrecentando o fato de não termos sido mais contactados para nem uma reunião, e segundo informações oficiosas, pelo fato de termos opinião contrária à entrado, nesse momento, do vereador anterirmente citado. 9- Finalmente gostaria de informar a todos, incusive ao meu amigo João, que continuo firme no propósito de pré-candidatura, com o apoio do meu Partido PR, da minha familia, e sempre invocando as bençãos do Grande Arquitetodo do Universo. O resto são falácias. E vamos continuar dialogando, na busca incessante da construção de dias melhores para todos nás Cametaenses e Cametauaras. Saudaçoes Republicanas!

quinta-feira, 5 de abril de 2012

DILERMANO TAVARES AINDA FAZ PARTE DO “GRUPÃO”?



Sábado, 31 de março, cinco e meio da tarde; a Iº conferência Livre de Transparência e Controle Social está acontecendo na UFPA- campus Cametá. Fui informado pelos componentes do Grupão que faz duas reuniões da chamada – terceira via - de pré-candidatos a Prefeito em Cametá, que do Delegado Dilermando Tavares não comparece. Mas neste final de tarde ele sai da referida conferência em direção à casa de uma irmã sua que fica na rua Cel. Rdo. Leão, ao lado do Banco da Amazônia. Lá o Prefeito Waldoli Valente e seu vice-prefeito, candidatíssimo a prefeito, o esperavam para uma longa conversa que terminou por volta de 22 horas. O teor e o resultado da conversa só as partes interessadas podem divulgar. Até ontem à noite (04/04/12) em conversa com que tive com pessoas do Grupão, fui informado que às reuniões do grupo que ele não voltou e nem deu explicações sobre o fato.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Por uma Política Ético-Estética


Carlos Alberto Amorim Caldas[i]
Recentemente em uma solenidade de formatura, turma de professores licenciados em Letras, na Universidade Federal do Pará/Campus Cametá, a professora Lucilena Gonzaga Tavares – uma das mulheres homenageadas da turma – cita o escritor português José Saramago: “A ética é a mais bela de todas as mulheres”. E comenta que às “mulheres” cabe perseguir esta beleza e os homens é tradição conquistarem mulheres belas.
            Tanto Saramago quanto Lucilena sabem que o conceito de belo é intrínseco à ética! Para os gregos da Antiguidade Clássica o Belo é Bom e o Bom é Belo. É ética então é essa imbricação bom-belo-bem. O sujeito ético caminha, portanto no sentido da construção do Bem Comum, o que o faz bom e belo, concomitantemente!
Costumamos, por isso, dizer que todo aquele que fere a Justiça, que fere a Moral, que conturba a Paz social – dentre outros princípios – é antiético!
Parece infelizmente que as cidades/pólis carecem de sujeitos éticos!
Assim, cidadania é um conceito pragmático que parece necessitar da ética, nessa perspectiva de construção coletiva do Bem. Cidade. O termo grego que a designa é pólis. E na pólis existe a ágora = praça, logadouro público.
Mas acompanhe meu raciocínio. Os cidadãos (cidade/pólis) gregos, na Antiguidade, se reuniam na ágora (espaço) para dialogar, discutir, decidir os rumos da sociedade. Não foi à toa que eles, os cidadãos gregos, inventaram a Democracia (demos=povo; cracia=governo) ou governo conduzido pela população. Isso me lembra orçamento participativo, assembleias setoriais, poder delegado, câmaras legislativas, etc. e participação dos cidadãos.
Isso me faz lembrar que o administrador público – olha aí o outro termo originado da organização social na Grécia Antiga: República (res=coisa; publica=do povo) – tem obrigação moral de ser ético, pois está a serviço do bem coletivo.
Mas que vem a ser moral? Antecipando, pois, moral e ética também se relacionam intimamente:
A Moral sempre existiu, pois todo ser humano possui a consciência Moral que o leva a distinguir o bem do mal no contexto em que vive. Surgindo realmente quando o homem passou a fazer parte de agrupamentos, isto é, surgiu nas sociedades primitivas, nas primeiras tribos. A Ética teria surgido com Sócrates, pois se exigi maior grau de cultura. Ela investiga e explica as normas morais, pois leva o homem a agir não só por tradição, educação ou hábito, mas principalmente por convicção e inteligência. Vásquez (1998) aponta que a Ética é teórica e reflexiva, enquanto a Moral é eminentemente prática. Uma completa a outra, havendo um inter-relacionamento entre ambas, pois na ação humana, o conhecer e o agir são indissociáveis.[ii]
            Ética, nesta perspectiva, é, portanto, um produto de elevado grau de civilização da humanidade; oposto à barbarização desta. Mas houve um momento na história humana ou da civilização (oposta à barbárie) em que o amalgama ética-estética proposto pelos gregos foi desfeito. Esse momento será a recente ascensão de Adolf Hitler ao poder, na Alemanha nazista, com os consequentes holocausto e II guerra mundial.
            Nos campos de concentração nazista os torturadores/genocidas/assassinos se deleitam ouvindo a beleza da música clássica/erudita enquanto matavam e torturavam.
E, o plano de invasão à França, pelas tropas nazistas, é modificado e preservam todos os monumentos, museus e obras de arte da bela Paris. O horrendo, feio, Hitler e seus comparsas nazistas cultivavam a beleza da música clássica/herudita e a arquitetura e arte da eterna Paris. Funda-se assim a dissociação entre belo e bom. A partir de então, não mais, necessariamente, o que é belo é bom/bem e vice-versa.
            Contudo diante dessa constatação, o que precisamos é retomar a intima ligação entre o Bem e o belo. Um pós-neo-classicismo no sentido de estabelecermos, na vida pública, também, as possibilidades ético-estéticas cultivadas pelos filósofos da civilização antiga.
           




[i] Psicólogo, mestre em educação UFPA.

domingo, 18 de março de 2012

NATAL DOS PARENTINHOS, O MELHOR NATAL DA MINHA VIDA!!!!!!!!!!




OBRIGADO AMIGOS, VOCÊS FORAM RESPONSÁVEIS POR LEVAR ALEGRIA E FELICIDADE AS CRIANÇAS CARENTES DE NOSSA CAMETÁ. 


Bimba, Taline Barra, Giselle Parijós, Kaio de Lima, Marcell Exterminador Barros, Parente Devid Guimaraes, Lia Pantoja, Emerson Castro Nascimento Castro, Nonato Caldas Caldas, Tiago Barra, Alexandre Pantoja, Vicente Caldas, Raimundo Barra, Erik, Aline Pantoja, Roseth Valente, Mere Barra, Michell Pompeu, Luis Fernando Sassim, Veloso Neto, Bianca Caldas, Antonildo, Odilon Barra, Luciana Medeiros,Vitória Medeiros, Jocelindo Medeiros, Hamilton, Franciney Sales, Parente Mario Arnaud e o Grande Papai Noel.

sábado, 17 de março de 2012

PARA QUEM AMA CAMETÁ E SENTE FALTA DESSE LUGAR MARAVILHOSO

" Tarde na Paria da Aldeia" 
Imagem: João Henrique

Controle da gestão pública será tema de Conferência em Cametá

Acontece no dia 31 de março, no auditório do Campus Universitário do Tocantins, a 1ª Conferência livre sobre Transparência e Controle Social no município de Cametá. Com o tema:a sociedade no acompanhamento e controle da gestão pública”, o evento tem  como objetivo principal a promoção da transparência pública e estímulo à participação da sociedade cametaense no acompanhamento e controle da gestão pública, contribuindo para um controle social mais efetivo e democrático, que garanta o uso correto e eficiente do dinheiro público.
De acordo com a comissão organizadora, quatro eixos temáticos serão discutidos. São eles: Promoção da transparência pública e acesso à informação e dados públicos; Mecanismos de controle social, engajamento e capacitação da sociedade para o controle da gestão pública; A atuação dos conselhos de políticas públicas como instâncias de controle e Diretrizes para a prevenção e o combate à corrupção.
O evento servirá para definir as propostas que serão encaminhadas para a etapa nacional da conferência, em Brasília.
Sobre as Conferências Municipais e Conferências Livres
De acordo com o “Manual Metodológico das Conferências Municipais/Regionais”, disponibilizado pela Controladoria-Geral da União (CGU), as conferências municipais deveriam ser convocadas pelos próprios gestores municipais. Em Cametá, o gestor municipal não convocou a sociedade, por isso não foi possível eleger delegados e encaminham propostas às conferências estaduais.
Já as conferências livres complementam as conferências municipais e estaduais, “tendo por objetivo potencializar a participação da sociedade nas discussões relacionadas à Conferência”. Elas não elegem delegados, mas encaminham até 10 propostas diretamente à Coordenação-Executiva Nacional, que as consolidará para a Etapa Nacional da 1ª Consocial.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Sessão da Câmara Municipal de Cametá do dia 14 de março de 2012

A sessão do dia 14 de Março de 2012:
Votação do projeto da PMC para a Criação do Cargo de Subsecretário de Educação.
Denúncia do Vereador Iracio sobre as 150 bicicletas que estão desde junho de 2011 no almoxarifado da PMC, e não foram entregues aos ACS(Agentes comunitários de Saúde)

Obs: Os comentários de internautas no blog só na mutuca não são de responsabilidades do autor do blog.









terça-feira, 13 de março de 2012

CARNAVAL CULTURAL DE CAMETÁ – parte II


Carlos A. Amorim Caldas

MENINAS! Li, em uma coluna assinada, no Jornal Informe Popular no. 85, 1º. a 29/02/2012, que além de fazer comentários UFANISTAS sobre o Carnaval de Cametá, apresenta entre zilhões de possibilidades de diversão neste carnaval, o seguinte: “Tem concentração, muita bebida, comida e mulher ‘de graça’ pra conquistar, mas não esqueça a camisinha em casa para não aumentar a população”...
Daí, meninas, posso depreender desse trecho: 1) Gravidez representa mais perigo que a contaminação por DST’s e HIV/AIDS?; 2) Será que o autor escreve “mulher ‘de graça’” porque está faltando o Homem ‘no mercado’ pra conquistar; ou 3) Será que teremos que ‘pagar’ para conquistar o que restou do ‘produto’?
Mas, brincadeiras à parte, meninas, o que está em questão é que a coluna traz à tona uma coisa que, além de estar fora de moda, também causa danos à saúde pública: o famigerado MACHISMO...
Aliás, quando a coluna se refere ao Fofó das Virgens não perde a oportunidade de para expressar machismo e outros “ismos”. Está escrito lá: “Tem fofó das virgens para quem quer sair do guarda-roupa”...
Pelo menos na minha compreensão, o fofo das virgens é uma saudável brincadeira que vem desbancar essas posições binárias do sexo. Neste ano mesmo de 2012, quando meu sobrinho Carlos Eduardo Amorim Caldas e suas três amigas que vieram com ele passar o carnaval conosco vestiam para o fofo das virgens pude observar em seus comentários como essa simples brincadeira de vestir-se com as roupas do sexo oposto pode nos proporcionar refletir sobre alteridade - colocar-se no lugar do outro. Elas comentavam o quanto é incomodo usar uma roupa que nos aperta por baixo, roupas masculinas justas que aumentam o calor. Ele não encarou o salto alto e comentava sobre a “tortura” da maquiagem. Sem falar na diferença de corte e do uso de cuecas e calcinhas! Se quiséssemos caminhar por uma compreensão mais, digamos, antropológica, a festa também serve para isso: diminuir ou baixar a censura e se permitir experiências e sensações que no cotidiano não são permitidas, pelo grupo social. O Carnaval é exemplar disso!
Antes do trecho que fala do fofo das virgens temos um que diz: “...e as aparelhagens de Belém com o tal de Melody para encher o saco. Mas tem gente que gosta e daí... tem gosto pra tudo...”
Até posso concordar que o nosso carnaval de Cametá não é o local adequado para as festas de aparelhagem e o melody! Mas, a despeito disso, festas de aparelhagens e o Melody em suas diversas versões constituem arranjos culturais que as pessoas das áreas periféricas de Belém (aí incluímos as cidades do entorno de Belém) construíram como alternativas de diversão, lazer, cultura como resistência às formações cristalizadas de opções de lazer, cultura, diversão. E do ponto de vista musical a mistura de sons, batidas e o “encaixa de composições” de [i]melodias de diferentes tradições musicais que o melody nos apresenta é extremamente moderno, revolucionário! Daí porque o Melody, o Funk, o Happie, dentre outras formas de resistência cultural, sofrem tanto preconceito em um país que tem preconceito e exclui os pobres, mas não erradica a pobreza!
Mudando de assunto mas não de sua posição CONSERVADORA a coluna anuncia que “O piso Nacional dos Professores aumentou (grifo meu) para R$ 1.451,00 um reajuste (grifo meu) de 22,22% que deve ser obedecido por todos os estados e municípios brasileiros, o valor fixado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC)[ii]”. A coluna perde a oportunidade de mostrar à opinião pública que infelizmente no Pará a “justiça” não respeita a Justiça e, no ano passado, o Governo Estadual do Pará, nem somente não obedeceu a Lei – empurrando os professores à greve – e por cima ainda arranjou um “jeitinho” dessa “justiça” marrom/cinzenta/esfumaçada do Pará declarar a ilegalidade da greve...Dá entender que a coluna sai até em defesa dos “pobres” dos governadores contra os “ricos” salários de professores quando informa que os governadores recorreram mas o STF garantiu a Lei e o piso nacional dos servidores e que eles, governadores, andam de pires na mão atrás de recursos adicionais para pagar salários de professores. Eu só posso reforçar a campanha: 10% do PIB para a Educação!
            Mas, finalizando, e falando ainda em Carnaval a coluna faz uma pergunta exclamativa “pode até ter faltado gente...” E nós continuamos a interrogação: porque será que os turistas não estão mais vindo participar do Carnaval de Cametá como em anos anteriores?
            E por ser “Cametá... a cidade das contradições”; parabéns à todos aqueles que fizeram o Carnaval de Cametá em 2012, na quase ausência de organização e divulgação. Quanto à coluna de Luís Peres leio-a e recomendo por considerá-la um ótimo instrumento de informação, por isso a comento!



[i] Carlos A. Amorim Caldas, psicólogo e professor da UFPA-Campus Cametá, mestre em educação.
[ii] O MEC é o ministério da Educação; o MINC é o ministério da Cultura.